doidera
toda essa sujeira
ainda bem que é besteira
que vem e vai e cai
indo pelo ralo
pro fundo do buraco raso
oco e fosco
torto e tosco
como é o poço
onde eu jogo todos
e assim fico sozinho
por cima da carne seca
sossego, sombra e água fresca
me traz um aperitivo, minha deusa?
e fico
só afugentando os urubus. as hienas
por puro ciume e egoismo
cinismo antes só visto
no festival de cinema de veneza
o maniaco obsessivo
virou menino prodigio
minha parte eu nao partilho
minha carne é meu charme
e espero que nunca acabe
porque assim vou ter tudo
e rir tão alto de tal absurdo
ensurdecerei todos
todos na palma da minha mao
ao alcance da visão
e se fugitivo fizer
eu venho, vejo e venço
e nem jogo no poço
[este sim, para todos
grito cala a boca, porra
e mando direto pro calabouço
[este sim, para tolos.
Anúncios

Sobre Gabriel

Eu apenas escrevo. Se é pra ler, dai é com você.
Nota | Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s